24.4 C
São Luis
segunda-feira, 6 fevereiro, 2023
InícioBrasilJorge Caldeira toma posse na Academia Brasileira de Letras

Jorge Caldeira toma posse na Academia Brasileira de Letras

Publicado em

O escritor e cientista social Jorge Caldeira tomou posse nesta sexta-feira (25) na cadeira 16 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Caldeira sucedeu a acadêmica Lygia Fagundes Telles, que morreu no dia 3 de abril deste ano. Os ocupantes anteriores da cadeira 16 foram: o crítico literário Araripe Júnior (fundador) – que escolheu como patrono o poeta Gregório de Matos -, Félix Pacheco e Pedro Calmon. Jorge Caldeira foi recebido pelo acadêmico Celso Lafer.

Escritor Jorge Caldeira toma posse na Academia Brasileira de Letras.
Escritor Jorge Caldeira toma posse na Academia Brasileira de Letras.

Escritor Jorge Caldeira toma posse na Academia Brasileira de Letras. – Divulgação da Academia Brasileira de Letras

Eleito para integrar a ABL no dia 7 de julho de 2022, Jorge Caldeira é escritor, doutor em ciência política e mestre em sociologia. Bacharel em ciências sociais pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP), Caldeira é especialista na história do Brasil. Nos últimos anos, dedicou-se a analisar a questão ambiental.

No discurso de posse, ele comparou o Brasil a um grande jardim que precisa ser cultivado e cuidado para ter um futuro promissor.

“Para restaurar o equilíbrio perdido, criar um futuro, é necessário tratar da natureza como um jardim. Como uma nova construção do homem. E lembrar que o paraíso é descrito como jardim. Esse grande jardim pode ser o Brasil. O país tem a natureza mais produtiva do planeta. Precisa saber dar valor a ela, pensar nela. Só assim, o homem brasileiro capturará, como dinheiro, o preço do carbono. Esta será a fonte de riqueza, numa economia de equilíbrio entre homem e natureza. Como se sabia desde sempre”.

Trajetória

Jorge Caldeira nasceu no dia 20 de dezembro de 1955, em São Paulo. É autor de livros como Mauá, empresário do Império e do best seller A história da riqueza no Brasil, que analisa as bases e o desenvolvimento da nossa economia, costumes e governos. Também escreveu livros sobre Diogo Antônio Feijó, José Bonifácio, Noel Rosa, Ronaldo, Guilherme Pompeo, Júlio Mesquita e outros personagens citados em obras como Brasil – A história contada por quem viu, 101 brasileiros que fizeram história e História do Brasil com empreendedores.

Como jornalista, Caldeira trabalhou nas revistas Bravo, Exame e Isto É, e no jornal Folha de São Paulo. Foi também consultor do projeto Brasil 500 anos, da Rede Globo.

Fonte: Agência Brasil

Comentários

Últimas notícias

Você pode gostar