13.2 C
São Luis
quinta-feira, 8 junho, 2023
InícioBrasilModernização expulsou samba do centro de São Paulo

Modernização expulsou samba do centro de São Paulo

Publicado em

A construção da Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, na zona leste da capital paulista, o prolongamento da Avenida Pacaembu, na zona oeste e a construção da futura Estação Saracura/14 Bis, na região central, são alguns dos exemplos de como a modernização da cidade de São Paulo, por meio de obras de infraestrutura, apaga a memória material de territórios ocupados desde o período colonial pela população negra, e transfere para a periferia os locais de produção e manifestação cultural dos negros. 

A análise é de um grupo de pesquisadores que se reuniu no Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), na capital paulista, na véspera do carnaval, para discutir o deslocamento forçado, para longe do centro da cidade, de um dos componentes mais marcantes dos territórios negros, o samba.

“O poder instituído tem agido de diversas formas, mas tem uma forma que sempre se repete, é a carta coringa desse poder, que é infraestrutura. É muito difícil ir contra esse tipo de necessidade, todo mundo precisa do transporte. Ninguém vai questionar. Você até questiona um empreendimento imobiliário, mas ninguém questiona uma obra de infraestrutura”, destaca Gleuson Pinheiro, pesquisador do Laboratório Cultura, Cidade e Diáspora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP).

Pinheiro, que também é carnavalesco de escolas de samba e professor da Escola da Cidade –  Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, estudou em seu mestrado o caso da escola de samba Príncipe Negro, fundada no bairro de Vila Prudente, na zona Leste, na década de 60, mas forçada a se mudar para bem longe dali, nos anos 80, a Cidade Tiradentes, no extremo leste da capital. 

“A história do príncipe, originalmente sediado na Vila Prudente, é um caso típico da expulsão da população negra para as periferias mais distantes, conforme a metrópole se expande. Naquele caso, a construção da Avenida Professor Luiz Inácio de Anhaia Mello foi determinante para que negros perdessem a moradia e não tivessem condições de permanecer na região”, afirma.

A escola de samba, que hoje está no Grupo de Acesso de Bairros 1, viu os membros de sua comunidade terem de sair da região após a valorização imobiliária trazida pelo processo de construção da nova avenida. 

“[A] periferia deixa de ter um significado exclusivamente espacial e passa a definir o lugar de determinadas manifestações culturais centrais ou protagonistas e manifestações periféricas ou à margem. Nesse contexto, manifestações culturais da população negra são empurradas duplamente para as margens: tanto para os limites periféricos da cidade – acompanhando a expulsão da população negra para a periferia – quanto para fora dos eventos, circuitos e espaços culturais oficiais da cidade”, escreve em seu mestrado, defendido na USP.

O afastamento da população negra das áreas centrais de São Paulo não só restringe o alcance das manifestações culturais, como afeta diretamente a existência dos negros na maior cidade do país. O Mapa da Desigualdade, publicado no fim de 2022 pela Rede Nossa São Paulo e o Instituto Cidades Sustentáveis, mostra uma diferença de até 21 anos na expectativa de vida de quem mora na área nobre central do município e quem mora na periferia.

“À medida que você vai saindo do centro da cidade, deixa a região da Faria Lima, Moema, à medida que você se dirige para as bordas, para o leste, o oeste da cidade, a cada quilômetro que você anda, é um ano a menos de vida estatisticamente”, destaca Bruno Baronetti, doutor em história pela USP e pesquisador da cultura popular brasileira.

“A pessoa que está na cidade Tiradentes vai ter 20 anos a menos de vida do que uma pessoa que tá morando nos Jardins. É disso que a gente tá falando, de expulsão de pessoas, e essa expulsão produz uma cidade desigual, que gera pessoas que vão ter uma expectativa de vida 20 anos menor”, ressalta.

Largo da Banana

Conhecido como o berço do samba de São Paulo, o Largo da Banana, que ficava na região da Barra Funda, na zona oeste da capital, era ponto de encontro dos negros desde o fim do século 19. Em 1958, no entanto, com o prolongamento da Avenida Pacaembu até a Marginal Tietê, e a construção do Viaduto Pacaembu, o largo deixou de existir. Hoje, no local, resta apenas uma placa, colocada em 2021 nas proximidades do viaduto, para marcar que o local foi ponto inicial do samba paulistano, onde estivadores negros se reuniam em roda de samba e capoeira.

“O Largo da Banana é extinto em 1950 para, mais uma vez em nome do progresso, a construção do Viaduto Pacaembu e da Avenida Pacaembu. Se você for pesquisar nos acervos dos jornais, dos principais jornais da cidade, só há referências ao Largo da Banana nas páginas policiais. Não há nenhuma referência, para a grande imprensa, de que ali se praticava samba, que era um local de sociabilidade”, destaca Baronetti. 

“Essas pessoas que fazem esse samba no Largo da Banana serão fundamentais para a construção das escolas de samba e dos cordões carnavalescos aqui em São Paulo, no começo do século 20”, acrescenta.

De acordo com a pesquisadora de tradições e cultura afro-brasileira, sambas e escolas de samba,  doutora e mestre em ciência da religião, Cláudia Alexandre, o mesmo processo de apagamento de uma grande referência cultural negra – que ocorreu com o Largo da Banana – está se repetindo atualmente com a construção da Estação de Metrô Saracura/14 Bis, no centro de São Paulo. 

No local, hoje bairro do Bixiga, existiu o Quilombo Saracura, e foi a sede da escola de samba Vai-vai. No início do século passado, a região era conhecida por nomes como Pequena África ou Quadrilátero Negro, devido à ocupação de pessoas descendentes do antigo quilombo. 

Foi essa comunidade que fundou, em 1930, uma das mais importantes e tradicionais escolas de samba da cidade de São Paulo, a Vai-vai, com origem em um cordão carnavalesco que saía pelas ruas do bairro. Em 2021, a escola de samba deixou a sede na região, que foi demolida para dar lugar às obras da futura estação de metrô.

“A gente está dizendo que o projeto do metrô foi pensado para passar por cima de um patrimônio negro, de um território negro, desprezando as histórias e as memórias que estão ali. É apagar de vez a história do Quilombo Saracura, que a gente não acessa na própria história e memória oficial de São Paulo. O metrô foi projetado em cima de um patrimônio histórico da cidade que é a Escola de Samba Vai-vai, e a história que ela guardava e preservava do próprio quilombo do passado”, afirma Alexandre.

O Movimento Mobiliza Saracura Vai-vai entrou, na semana passada, com ação judicial pedindo a garantia de preservação do sítio arqueológico encontrado nas obras da Estação 14 Bis, na região central paulistana, que vai integrar a futura Linha 6 Laranja do Metrô. Segundo a articulação, que reúne cerca de 150 coletivos e organizações da sociedade civil, as obras, já iniciadas, colocam em risco possíveis vestígios do Quilombo Saracura, uma comunidade formada por pessoas que foram escravizadas onde está atualmente o bairro do Bixiga. 

A concessionária responsável pela construção da estação, a Linha Uni, disse, em nota, que  “tem dialogado com as partes interessadas para, após a identificação da origem dos achados, apoiar a comunidade em futuros projetos educativos e de preservação do patrimônio”. Segundo a empresa, o Movimento Saracura Vai-vai tem acompanhado os trabalhos com reuniões e visitas ao canteiro.

Fonte: Agência Brasil

Comentários

Últimas notícias

Você pode gostar