20.4 C
São Luis
segunda-feira, 6 fevereiro, 2023
InícioEconomiaDólar sobe para R$ 5,24 em dia de confirmação de Haddad na...

Dólar sobe para R$ 5,24 em dia de confirmação de Haddad na Fazenda

Publicado em

No dia da confirmação de Fernando Haddad como o futuro ministro da Fazenda, o dólar subiu, influenciado tanto pelo cenário interno como por dados de inflação nos Estados Unidos. A bolsa de valores teve leve alta, amparada em ações de mineradoras, que estão se recuperando após o afrouxamento das restrições contra a covid-19 na China.

O dólar comercial fechou esta sexta-feira (9) vendido a R$ 5,246, com alta de R$ 0,03 (+0,57%). A cotação chegou a R$ 5,27 por volta das 11h, desacelerou para R$ 5,22 por volta das 13h e voltou a ganhar força ao longo da tarde.

Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana subiu 0,61% na semana. A divisa acumula alta de 0,84% em dezembro e cai 5,92% em 2022.

O mercado de ações teve um dia de leve recuperação após chegar ao menor nível desde agosto ontem (8). O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 107.520 pontos, com alta de 0,25%. A reabertura da economia chinesa, grande consumidora de matérias-primas, contribuiu para a elevação do índice. Em contrapartida, a queda do petróleo no mercado internacional empurrou para baixo as ações de petroleiras, as mais negociadas na bolsa brasileira.

A alta do dólar não se deveu apenas ao mercado interno, marcado pelo anúncio de Haddad no Ministério da Fazenda. A moeda norte-americana subiu em todo o planeta após a inflação ao produtor nos Estados Unidos ter ficado acima do previsto em novembro, o que aumenta as chances de o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) manter o ritmo de aperto monetário.

Nas quatro últimas reuniões, o Fed elevou os juros em 0,75 ponto percentual em cada vez. Para o próximo encontro, que ocorrerá na terça (13) e na quarta-feira (14), os investidores estão divididos entre um novo reajuste de 0,75 ponto e um aumento de 0,5 ponto. Juros altos em economias avançadas estimulam a fuga de capitais em países emergentes, como o Brasil, pressionando o dólar e a bolsa.

*Com informações da Reuters

Fonte: Agência Brasil

Comentários

Últimas notícias

Você pode gostar