20.5 C
São Luis
sexta-feira, 7 outubro, 2022
InícioEsportesQuartas de final de Mundial PC terá Brasil x Argentina na segunda

Quartas de final de Mundial PC terá Brasil x Argentina na segunda

Publicado em

A seleção brasileira masculina deu mais um passo em direção ao título inédito do Mundial de Futebol de paralisados cerebrais (PC). Nesta sexta-feira (6), os brasileiros, já classificados para as quartas de final, emplacaram a terceira vitória seguida: 3 a 0 contra a Irlanda, na cidade de Salou (Espanha). Com o triunfo, a seleção encerrou a primeira fase na liderança do grupo B, e terá como adversária nas quartas a Argentina, que ficou em segundo lugar no Grupo D. O clássico sul-americano, valendo vaga na semifinal, está programado para segunda (9), às 12h30 (horário de Brasília). Os jogos têm transmissão ao vivo online.

Na partida desta sexta (6) contra os irlandeses, destaque para César Augusto, que balançou a rede duas vezes. Ângelo Matheus também anotou o dele hoje, assim como também marcou nas duas partidas anteriores.

Na última edição do Mundial, em 2019, o Brasil terminou em terceiro lugar, mas por duas vezes chegou à final – 2003 e 2013 – mas terminou como vice-campeão. A Rússia é atual campeã, mas não compete devido à suspensão imposta pela Federação Internacional de Futebol de Paralisados Cerebrais (IFCPF, sigla em inglês), em razão da invasão militar da Ucrânia.

Modalidade

No futebol PC, os atletas são divididos em três classes: FT1, FT2 e FT3. Na FT1 estão aqueles com maior comprometimento. Cada equipe, obrigatoriamente, precisa ter ao menos um deles entre os sete titulares. A FT3 reúne os jogadores com menor grau de paralisia. Somente um pode estar no gramado em cada time.

As regras são semelhantes à do futebol convencional. Além da duração do jogo, outras diferenças estão no número de atletas por equipe (sete), no tamanho do campo (70 metros por 50 metros) e da baliza (dois metros por cinco metros), na ausência do impedimento e na cobrança de lateral (pode ser feita com apenas uma das mãos).

Fonte: Agência Brasil

Comentários

Últimas notícias

Você pode gostar